Fev

24

DeAaZeca_JeitoMoleque

Se tem expressão mais adequada para representar o espírito do samba, ela é “Jeito Moleque”. Não à toa, é o nome do terceiro álbum de Zeca Pagodinho, lançado em 1988. A faixa-título, composta por Darcy do Nascimento e Dominguinhos do Estácio, é uma celebração dos  tempos de criança, com uma  letra muito descontraída:

“Quando eu me lembro
Dos meus tempos de criança
Jogo de botão ou de pelada
Cara suja na calçada
Calça curta e pé no chão
Vovó zangava quando eu não passava
Na lição…”

Um dos destaques  das 12 músicas do disco é “Pisa Como Eu Pisei”,  parceria com dois grandes nomes do Império Serrano, Beto Sem Braço e Aluisio Machado. Mas o grande marco de “Jeito Moleque” é a participação da Velha Guarda da Portela: O disco inaugura o que se tornaria um costume em todos os discos do Zeca.

Desde então,  em todas as gravações,  Zeca convida a velha Guarda para cantar no disco, além de oferecer uma farta feijoada para esses mestres do samba.  Hoje em dia, todo mundo sabe que dia de Velha Guarda no estúdio significa muita animação, cantoria e comilançaa!

Aperte o play e ouça “Pisa Como Eu Pisei”:

Fonte: Livro “Zeca – Deixa o Samba me Levar”, de Jane Barboza e Leonardo Bruno.